A continuidade da COPA DO MUNDO.

Publicado em 09/07/2014 às 19h04

Um estudo interessante feito pela consultoria WealthInsight trouxe um raciocínio fora da caixa sobre a Copa – o crescimento dos investimentos em imóveis no país. Agora que o Brasil levou 7x1 pode ser que tenhamos cabeça para lidar com estas coisas que podem ser de forte interesse para os negócios.  

Primeiro, o estudo alertou sobre as vantagens das cidades que sediaram os jogos. Manaus, Fortaleza, Natal, Recife, Salvador, Brasilia, Cuiabá, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre.

Agregaríamos as cidades que hospedaram as equipes, para treinamento.

O caso da Alemanha

O ex-jogador de futebol alemão, Oliver Bierhoff, a Federação Alemã de Futebol e Stefan Gast criaram espaço para a construção de uma sede para o time da Alemanha no Brasil. A eles se associaram os empresários do LIDE – Grupo de Líderes Empresariais, presidido por João Doria Jr., e LIDE ALEMANHA, liderado por Stefan Gast.  Após 5 meses, a Alemanha pode se instalar em um centro de treinamento e concentração que contava com 14 casas coletivas de dois andares com vista para o mar, 65 quartos, área de convivência e piscina de 700m2, em cerca de 15 mil metros no litoral baiano, o Campo Bahia. Agora, o trabalho é atrair mais turistas ao Brasil para este condomínio de luxo após a Copa do Mundo que está localizado na vila de Santo André, próximo a Porto Seguro, na Bahia. O foco social não foi esquecido, e o campo de treinamento também se dispôs a contribuir com tecnologia da informação para o desenvolvimento das escolas da região e planeja integrar uma escola internacional de hotelaria, que atraia investidores internacionais e visibilidade.

Oportunidade para as cidades

Em dezembro de 2013, várias cidades já haviam sido escolhidas pelas mais de 30 Seleções:

O Equador optou por Viamão (RS), Austrália e Camarões por Vitória (ES), a Itália pelo Centro de Treinamento de Mangaratiba (RJ), enquanto a Suíça ficará em Porto Seguro e a Alemanha em Santa Cruz de Cabrália, ambos municípios baianos.

São 13 as delegações que escolheram o estado de São Paulo para treinarem: os EUA ficarão na capital paulista, México e Costa Rica ficarão nos CT's de Santos, Honduras no de Porto Feliz, França no de Ribeirão Preto, Irã no de Guarulhos, Portugal e Nigéria nos de Campinas, Bósnia-Herzegovina no de Guarujá, Costa do Marfim em Águas de Lindóia, Bélgica em Mogi das Cruzes e, por fim, Rússia e Japão fixarão bases em Itu.

Além dos EUA em São Paulo, a outra sede com jogos da Copa que tem garantida a presença de seleções em seus CT’s é Belo Horizonte. A Argentina escolheu a Cidade do Galo, centro do Atlético Mineiro, e o Chile a Toca da Raposa II, centro do Cruzeiro. Minas Gerais também receberá o Uruguai, que escolheu o município de Sete Lagoas como base de treinamentos.

Terão feito sua lição de casa? Terão criado networking com os estrangeiros que por lá apareceram? Provavelmente, a maioria, não. Mas os milionários estão sempre nas esteiras dos eventos, nas formas de organização associada e nos espaços de interface que lhe permitem capitalizar as oportunidades que surgem. São eles que capitalizarão estas oportunidades. Ou aqueles que, mesmo não milionários, tem foco em relacionamento e parcerias e estão atentos às oportunidades.

O estudo da consultoria lembra que, na Copa do Mundo de 2010, África do Sul registrou um aumento no número de milionários de 28,5%. No caso do Brasil, WealthInsight indica que o número de milionários aumentou quase 50% desde 2009, chegando a mais de 190 mil. Com a Copa do Mundo e Olimpíadas de 2016 irão atrair interesse mundial e este número crescerá. Eles já controlam cerca de US$ 1 trilhão de ativos na área de "real estate".

 

 

 

Categoria: Construção, Investidores em imóveis
Tags: investimentos em imoveis, investimentos externos no Brasil, Olimpíadas e Copa 2014

voltar para Blog

normalcase|tsY c15|show|||image-wrap b01 c15 bsd|news|b01 c05 bsd|b01 c05 bsd|login|fsN fwB|b01 c05 bsd|content-inner||